Pesquisadoras da PUCPR discutem didática e formação de professores

Foto: Fabíola Roes
As pedagogas Joana Paulin Romanowski, Evelise Portilho e Daniele Saheb, participantes da mesa redonda. Foto: Fabíola Roes

Na semana em que é comemorado o Dia dos Professores, a 5ª edição do Congresso Internacional Marista de Educação discute a formação docente, os desafios para os professores na atualidade, e o uso da tecnologia. Nesta quarta-feira (12), a mesa redonda “Didática e Formação de Professores” reuniu as professoras da PUCPR e doutoras em Educação Evelise Portilho, mediadora, e as palestrantes Joana Paulin Romanowski, com a temática “E agora professor? Os desafios de uma nova didática”, e Daniele Saheb, que abordou os “Saberes docentes necessários à Educação”.

A diretora do curso de Pedagogia da PUCPR Daniele Saheb acredita que é necessário resgatar o valor da profissão. “A escola, por meio de seus gestores, precisa aumentar e investir no diálogo, além de rever a formação continuada”, diz.

De acordo com a pedagoga Evelise Portilho apenas o conhecimento técnico não é suficiente para encarar os desafios que a carreira propõe. “A profissão de professor não é para todos e precisa de formação pedagógica adequada e competente, realizada por especialistas da área”, analisa.

Para Evelise, a profissão está longe de ser valorizada. “Sinto muitas vezes que ‘todo’ mundo pode ser professor ou se sente um. A profissão professor não é para todos e para isso precisa de formação pedagógica adequada e competente, realizada por profissionais da área”, diz. Segundo ela, só o conhecimento técnico não é suficiente para atender aos desafios de sala de aula, de convivência e articulação entre teoria e prática.

A situação do ensino brasileiro foi levantada durante o encontro. “Ainda temos problemas estruturantes a serem considerados, como o acesso digno a todos. E quando chegam a ele, existem questões que a escola básica não está conseguindo atender, como instrumentalizar os estudantes a saber falar, escrever e interpretar”, completa

A professora acredita de qualquer forma, que tudo isso não exclui as boas práticas existentes em algumas instituições ou regiões do pais. “Mas precisamos de ações conjuntas para que o pais efetivamente considere a Educação como prioridade para um povo que faça a diferença”, avalia.

Leia mais: a pedagoga Joana Romanowski concedeu entrevista para o site do Congresso Marista.

 

Grupo Armorial faz apresentação musical no Congresso

Foto: Juliana Simões
Foto: Juliana Simões

O Grupo Armorial Ariano Suassuna, formado por estudantes do Colégio Marista Pio X, em João Pessoa/PB, encantou os participantes do Congresso Internacional Marista de Educação na tarde de quarta -feira (12/10), durante o intervalo cultural.
Sob a regência do professor e maestro, Yuri Ribeiro, os congressistas ouviram e se divertiram ao som de músicas populares nordestinas inspiradas em Luiz Gonzaga, Antônio Nóbrega, dentre outros.
Integram o grupo 22 estudantes, entre 11 e 18 anos, dos ensinos fundamental e médio. Juntos, há mais de cinco anos, eles já gravaram o primeiro CD intitulado “Romance da Bela Infanta.

Foto: Chirliana Souza
Foto: Chirliana Souza

 

Ciranda de Ecosaberes mobiliza educandos

E2
Bate-papo com os estudantes. Foto: Bruna Geriz

A partir da palestra do conferencista, filósofo e teólogo Leonardo Boff, no 5º Congresso Internacional Marista de Educação, acerca do tema “Educação, Cuidado e Ecologia”, foi realizada, na manhã desta quarta-feira (12/10), a primeira atividade do 2º Congresso Marista de Educandos e Famílias. A Ciranda de Ecosaberes foi mediada pelo Ir. José Wagner Rodrigues da Cruz, vice-presidente das mantenedoras UBEE-UNBEC. Por meio de perguntas e respostas, os estudantes fizeram eco do que ouviram na palestra de Boff, refletindo sobre o cuidado.

“O resultado da palestra do Boff não só correspondeu às minhas expectativas, como foi além delas. A partir da premissa do cuidado, ele trouxe reflexões sobre como podemos melhorar os problemas que afetam nossas vidas”, comentou o estudante José Gabriel Silva, 13 anos, do Colégio Marista Pio XII, de Surubim/PE. Para o adolescente, o Ir. José Wagner apresentou, com detalhes, os problemas atuais que nos fazem perder a essência e os valores.

E4 (2)
Doação de muda de Pau-Brasil para estudante. Foto: Letícia Pina

Como experiência a ser compartilhada, os participantes da Ciranda conversaram com o ex-aluno do Colégio Marista São Luís e da Faculdade Marista do Recife, Nélio Fonsêca, 27 anos. Ele relatou a experiência de plantar, desde os oito anos, 20 mil mudas de árvores das espécies Ipê Amarelo, Pau Brasil, Jenipapo, Pitombeira e Tamburi. “Uma coisa que faz parte de mim e da essência Marista, que foi literalmente plantada lá atrás por Champagnat, é ser protagonista da nossa história. Para ajudar, não precisa ser biólogo ou assistente social, basta sentir o desejo de fazer as coisas do íntimo do coração”, destacou. Nélio é administrador, professor universitário, palestrante voluntário em escolas públicas e incentivador da implantação de hortas comunitárias. A fim de reforçar o projeto, o professor ofereceu mudas para vários estudantes para propagar a conscientização ambiental.

E1
Momento de reflexão. Foto: Bruna Geriz

Os participantes da Ciranda analisaram, ainda, temas como vaidade e tempo nos dias atuais. “Precisamos fazer uma reflexão sobre a vaidade no mundo contemporâneo e saber que somos todos diferentes e nos enriquecemos com as diferenças”, destacou o Ir. José Wagner.

 

Congressistas participam de debate sobre contexto escolar

C2
Foto: Reinaldo Fontes

Educação: reflexões sobre o sentido do saber no contexto escolar. Esse foi o tema da mesa redonda realizada na manhã desta quarta-feira, dia 12 de outubro, durante a realização do 5º Congresso Internacional Marista de Educação, no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda/PE. A atividade, mediada pelo coordenador do Programa de Mestrado e Doutorado em Educação da Universidade Católica de Brasília (UCB), Luiz Síveres, contou com as apresentações dos professores Bernard Charlot, da Universidade Federal de Sergipe (UFS), José Pacheco, do Projeto Âncora, e José Carlos Libâneo, da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUCGO).

Bernard Charlot conduziu a primeira parte do debate, a partir do questionamento “Por que e para que ir à escola? A relação dos alunos com a escola e com o saber. Na ocasião, o professor fez o resgate histórico da relação da escola com o desejo, o saber e as tecnologias. “A partir da década de 1960, a sociedade deseja o desenvolvimento econômico e social, para isso, necessita aumentar o nível de formação da população, ou seja, o que acontece na escola influencia no futuro da criança”, lembra Charlot. De acordo com ele, hoje, existem problemas de estruturação do sujeito, em que o desejo se torna uma satisfação imediata, baseada na cultura do imediatismo.

O palestrante citou, ainda, uma de suas pesquisas na área da educação, que mostra o estudante como aquele que faz apenas o que a professora quer. Baseado nesse estudo, argumenta, também, que com as novas tecnologias os professores não são mais a única fonte de informação e os estudantes não sabem, ainda, utilizar a internet para aprender. “A escola atual necessita pensar uma pedagogia contemporânea que não seja do individualismo e do conformismo”, sinalizou para os presentes.

C1
Foto: Reinaldo Fontes

José Carlos Libâneo apresentou aos congressistas o tema “Currículo e ação docente: do professor executivo ao professor criados”. Para ele, a didática escolar deve ensinar o aluno a pensar com base nos conteúdos. “Eu entendo que a didática do professor é colocar em prática o currículo em sala de aula e torná-lo significativo”, contextualizou. A partir de diferentes visões, Libâneo relembra o currículo atual, para ele, muito instrumental e focado apenas em resultados. “Uma visão equivocada que não ajuda o estudante no processo de aprendizagem”, destacou o palestrante.

O professore José Pacheco iniciou a palestra “Aprender em comunidade” com a provocação de que hoje é necessário entender o que se passa no “chão” da escola. “A história do Brasil está sendo reescrita no campo da educação e essa proposta de reescrita não tem a ver com a mitigação de um velho conceito, da época da revolução industrial, mas das novas construções sociais de aprendizagem”, afirmou o convidado. Segundo ele, é preciso fazer o aluno aprender a partir do seu contexto sociocultural. Ao citar os artigos da Constituição Brasileira, sobre o acesso à educação, ele chama atenção para os dados alarmantes dos índices da educação no Brasil, em que, 92% da população não têm proficiência em Língua Portuguesa e Matemática.

Boff convida educadores e estudantes ao cuidado e à escuta do coração

B1
Foto: Reinaldo Fontes

A palestra inaugural do 5° Congresso Internacional Marista de Educação e 2º Congresso Marista de Educandos e Famílias teve como convidado o filósofo e teólogo Leonardo Boff. Com o tema “Educação, Cuidado e Ecologia”, a apresentação trouxe essas perspectivas a partir das transformações em andamento na sociedade e no mundo globalizado e tecnológico, que expressam dentre as características o conhecimento dissociado da reflexão.

Para Boff, o cuidado é anterior ao espírito e ao corpo e está vinculado à escuta do coração. “Pela falta de cuidado, as cidades estão abandonadas, pessoas estão passando fome, muitos idosos estão solitários”, explicou. Ao desenvolver a sensibilidade e a consciência do cuidar, incentivamos, segundo ele, a vivência da espiritualidade. “As pessoas devem buscar sempre as formas mais humanas e dignas de viver e isso está diretamente ligado à espiritualidade”, comentou.

B2
Foto: Reinaldo Fontes

Outro ponto de destaque da palestra foi a fala do convidado aos educadores e estudantes Maristas sobre a importância de fazer com que jovens e crianças não percam a capacidade de sonhar. “Hoje vivemos de pequenas utopias. Os jovens se fundam na mediocridade e na realização dos pequenos prazeres, que só trazem frustração. Não podemos deixar que os sonhos e a busca pela concretização de projetos deixem de fazer parte da nossa vida”, lembrou.

Para o teólogo e filósofo, a educação, a espiritualidade e os cuidado fazem com que os seres humanos vivam de forma harmônica com a natureza e as pessoas. “Grandes são os riscos e desafios com relação à Mãe Terra. Mas temos o brilho das estrelas e não nascemos para sofrer. Façamos, cada um de nós, a nossa parte”, finalizou.

Congresso Marista reflete sobre a criação da educação

Foto: Reinaldo Fontes
Foto: Reinaldo Fontes

A criação da educação foi o tema do momento de reflexão que abriu, nesta quarta-feira, dia 12 de outubro, o segundo dia do 5º Congresso Internacional Marista de Educação, no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda/PE. A celebração, organizada pelo Comitê de Espiritualidade do evento, foi inspirada na palavra bíblica do livro de Gênesis sobre o início da humanidade (1, 26-27). “Destaca a nossa relação com o meio ambiente e do ser humano como cocriador criativo da natureza”, pontuou o Irmão Delano Costa.

O grupo Andança, do Colégio Marista São Luís – Recife/PE, fez apresentação de ballet com a coreografia sobre o surgimento do mundo. O espetáculo, encenado pelos professores Julcélio Nóbrega e Raphaela França, contou com a participação das estudantes do 1º ano do ensino médio Rebeca Sena, Bruna Figueiredo, Marina Gomes e Maria Gabriela Carvalho. “O objetivo da peça é passar a ideia de que a partir de um homem e uma mulher surgiu a humanidade”, explicou Givaldo Tenório, coordenador do Setor de Arte e Cultura (SEAC) no Colégio Marista São Luís.

Foto: Reinaldo Fontes
Foto: Reinaldo Fontes

O dia de hoje é de homenagens a Dom Helder Câmara, referência na defesa dos pobres, assim como Champagnat fez à sua época, à Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, e ao Dia das Crianças. Nesta manhã, continuam as apresentação no 5º Congresso, com a conferência “Educação, Cuidado e Ecologia”, ministrada pelo teólogo Leonardo Boff, e a mesa redonda “Educação: reflexões sobre o sentido do saber no contexto escolar”, coordenada pelo Dr. Luiz Síveres, da Universidade Católica de Brasília (UCB).

Começa o Congresso Internacional Marista de Educação

Mesa de abertura do 5º Congresso Internacional Marista de Educação. Foto: Mariana Menezes
Mesa de abertura do 5º Congresso Internacional Marista de Educação. Foto: Mariana Menezes

Potencializar a promoção do direito a uma educação integral de qualidade e de excelência acadêmica, diante dos cenários e desafios da contemporaneidade. Esse é o intuito do 5º Congresso Internacional Marista de Educação e o 2º Congresso Marista de Educandos e Famílias, que tiveram início na noite de terça-feira, dia 11 de outubro, em solenidade realizada no Centro de Convenções de Pernambuco, na cidade de Olinda/PE, com a presença de educadores, gestores, estudantes, representantes de governo e da Igreja.

A cerimônia de abertura retratou a contribuição Marista no país e no estado de Pernambuco na formação e evangelização de crianças, adolescentes e jovens. O Ir. Valter Pedro Zancanaro, coordenador-geral do evento, acolheu os mais de 2.000 participantes no Teatro Guararapes. “Nosso desejo, para estes quatro dias, é que seja um tempo significativo de conhecimento, de aprendizagens, de diálogos e interlocuções, de vivências marcantes e produtivas”, destacou o Irmão.

Os 200 anos do Instituto Marista, que serão celebrados em 2 de janeiro de 2017, também foram lembrados na ocasião, em momento de espiritualidade. Grupo de estudantes do Colégio Marista Pio XII, de Surubim/PE, distribuiu fita comemorativa aos convidados em alusão à data e à representatividade do legado do fundador São Marcelino Champagnat. O Ir. Miguel Angel Espinosa Barrera, diretor adjunto do Secretariado de Missão do Instituto Marista, representou o Ir. Emili Turú, Superior Geral do Instituto Marista, enfatizou o compromisso da instituição para que os jovens estejam cada vez mais conectados consigo, com o mundo e com a construção de uma vida digna.

Em sintonia com a proposta, o estudante Rafael Tenório Falcão, do 2º ano do Ensino Médio do Colégio Marista São Luís, de Recife/PE, falou com os convidados sobre as expectativas e a importância da realização do Congresso Marista de Educandos na capital pernambucana. “Somos juventude convicta, somos utopia, cultura da tolerância, espaço, cultura e vida. Por uma educação criativa e inovadora”, lembrou ao público. O encontro reunirá 101 estudantes do Brasil Marista.

Por meio de conferências, mesas redondas, debates, relatos de experiências e atividades culturais, o Congresso Internacional Marista de Educação, promovido pela União Marista do Brasil/UMBRASIL, abordará, até 14 de outubro, o tema “Educação de Qualidade: sentidos, experiências e horizontes”, e homenageará personalidades que inspiram o jeito marista de educar, o escritor Ariano Suassuna, Dom Helder Câmara, o educador Paulo Freire e Irmã Dulce. Zélia Suassuna recebeu homenagem em nome do marido, referência na cultura popular.

A programação do Congresso continua na manhã desta quarta-feira, dia 12 de outubro, com a conferência “Educação, Cuidado e Ecologia”, do teólogo e educador Leonardo Boff. Paralelamente, será realizado o 2º Congresso Marista de Educandos e Famílias, com a participação de adolescentes e jovens, de 12 a 24 anos, de colégios e escolas maristas do país. O encontro, que segue até a próxima sexta-feira, prevê discussões acerca do protagonismo, da educação como processo humano e ato político e do uso das tecnologias.

Confira a fala do estudante Rafael Tenório Falcão aqui.

Banda Marcial do Colégio Marista Pio XII de Ponta Grossa/PR estará presente na abertura do Congresso

O 5º Congresso Internacional Marista de Educação começa terça-feira, no dia 11 de outubro, em Recife. A cerimônia de abertura terá apresentações musicais com a participação do artista Antonio Nóbrega e da Banda Marcial do Colégio Marista Pio XII de Ponta Grossa/PR. O Congresso traz grandes referências culturais, musicais e artísticas, além das palestras e debates na área educacional. Confira o ensaio da Banda Marcial e participe!

 

Relatos de Experiência: estudo e vivência

O 5º Congresso Internacional Marista de Educação, que será realizado de 11 a 14 de outubro, em Recife/ PE, traz muitas novidades, entre elas, a apresentação de “Relatos de Experiência”. Realizada de forma oral, a modalidade é conhecida por descrever uma experiência que possa colaborar de forma relevante em áreas específicas de atuação. Hoje, os Relatos de Experiência são conhecidos como uma importante fonte de contribuição de saberes práticos com aportes teóricos.

Selecionados e enviados pelas três províncias do Brasil Marista, no 5º Congresso, os Relatos de Experiência serão divididos em 12 salas temáticas, onde serão apresentados 3 relatos em cada e um especialista fará a mediação e aprofundamento do debate. Ao final dos quatro dias, os relatos totalizarão 36 trabalhos.

Para o representante da Comissão Organizadora do 5º Congresso Internacional Marista de Educação, Ricardo Mariz, os relatos serão momentos ricos e de grande importância para os participantes, “quando falamos nos horizontes, os Relatos de Experiência significam o caminho que trilharemos para chegar lá. Eles são o ponto de encontro entre o passado e o futuro, porque é na experiência que aprendemos para poder fazer diferente” afirmou Mariz.

Confira a programação dos Relatos de Experiência no site do 5º Congresso Internacional Marista de Educação: www.congressomarista.com.br/congresso/wp-content/uploads/2016/06/programa%C3%A7ao_5%C2%BA-congresso.pdf