Especialistas defendem currículo diversificado na Educação Básica

2
Ir. José Wagner Rodrigues conduz a mesa redonda. Foto: Juliana Simões

Tratado como peça importante da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), o currículo foi o tema central da mesa redonda promovida na manhã desta quinta-feira, 13 de outubro, no terceiro dia da programação do 5º Congresso Internacional Marista de Educação. A atividade trouxe reflexões de três educadores, que apresentaram seus estudos e ideais, sob a mediação de Ir. José Wagner Rodrigues da Cruz, vice-presidente das mantenedoras UBEE-UNBEC.

Marcos Villela Pereira (PUCRS) iniciou a rodada de discursos sobre a participação no estudo da Base Nacional, com os avanços feitos a partir da adoção de estratégia de debate focada na valorização de cenário comum não excludente, em detrimento de visões particulares. “Quanto maior a diversidade de sujeitos inseridos dentro de uma comunidade escolar, maior será a variedade de processos de aprendizagem. É isso que construímos ao sermos menos fóbicos”, argumentou.

Ana Selva discorre sobre os desafios da Base Nacional Comum Curricular. Foto: Juliana Simões
Ana Selva discorre sobre os desafios da Base Nacional Comum Curricular. Foto: Juliana Simões

A representante da Secretaria de Educação de Pernambuco, Ana Coelho Selva, abordou os desafios e perspectivas para a BNCC e enalteceu a necessidade de criação de currículo abrangente que valorize a formação cidadã e não somente a preparação do aluno para exames. Ao tratar da segunda fase de construção da BNCC, que recebeu mais de 12 milhões de contribuições, Ana defendeu o uso de calendário de implementação que permita a apropriação e transição das instituições de ensino às mudanças, a fim de evitar fatos inesperados como a recente medida provisória que estabelece reformas no Ensino Médio.

A socióloga Rita Coelho, da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação/MEC, reforçou a ampliação da discussão sobre a importância da Educação Infantil no Sistema Educacional, a partir de dimensões como o cuidado no contexto pedagógico do nível de ensino. Ao mencionar as Diretrizes Curriculares para a Educação Infantil, ela defendeu as centralidades inerentes ao processo de formação das crianças, reiterando, assim como os demais convidados, a não equiparação do currículo à BNCC.

Deixe uma resposta

Nome *
E-mail *
Site